Pular para o conteúdo principal

Um lepo no Legado


Eu quase não sonho devido o meu sono ser interrompido muitas vezes a noite, assim, quase sempre acordo cansado. Problemas técnicos na minha máquina de sonolência.
Os sonhos de conquista, aqueles que tinha quando criança, eu só tive um e realizei alguns anos atrás. O que veio depois disso são desejos e vontades: trabalho dos sonhos, casa dos sonhos, grana dos sonhos... tudo que for dos sonhos eu não tenho.

Durante a vida e acredito já estar chegando na metade na minha de acordo com as estatísticas, eu fui me virando, batalhando, de repente uma oportunidade apareceu eu aproveitei. Em outro momento uma chance surgiu, eu fui. Assim, o que eu tenho é um monte de experiências vividas e poucas realizações marcantes para as próximas gerações. O meu legado... é... vamos pular essa parte.

Eis o ponto, pular a parte que deve ser percorrida.

Agora é bem direto, para as pessoas que "pularam" etapas seja pela necessidade, seja por falta de grana, seja por causa da corrupção do Brasil ou até mesmo devido a distância da Terra em relação ao Sol. Você pulou, ou queimou, ou perdeu etapas importantes na sua vida, agora vou escrever pra você:

Lepo Lepo
Psirico

"Ah, eu não sei o que fazer
Duro, pé-rapado e com o salário atrasado
Ah, eu não tenho mais pra onde correr
Já fui despejado, o banco levou o meu carro

Agora vou conversar com ela
Será que ela vai me querer?
Agora vou saber a verdade
Se é dinheiro, ou amor, ou cumplicidade

Eu não tenho carro, não tenho teto
E se ficar comigo é porque gosta
Do meu rá rá rá rá rá rá rá o lepo lepo

[...]

Quem em sã consciência vai entrar numa relação dessa e esperar mais do que "lepo lepo"?
A vida no "lepo lepo" é uma delícia, quem não gosta?!

Porém, a vida do realizador de sonhos passa pelas mesmas dificuldades de nosso personagem citado na música, entretanto, existe um foco, um objetivo, existem metas e com esforço um legado será construído. 

O que sobra depois da morte é isso: legado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Arrependimentos

Fui questionado: “Pablo, você tem arrependimentos?” A resposta foi imediata: “Sim, muitos”.
Eu me arrependo de tantos erros que causaram mágoas, eu me arrependo de intenções que não deram certo, eu me arrependo de vontades fora de hora, eu me arrependo de palavras maléficas que não voltam, eu me arrependo de atitudes que enganaram, eu me arrependo de mentiras, eu me arrependo de abandonos, eu me arrependo da falta de interesse, eu me arrependo do silêncio que despreza, eu me arrependo do descaso com o importante, eu me arrependo do tempo perdido com banalidades, eu me arrependo de tantos pecados, eu me arrependo de não ter ouvido a minha mãe, eu me arrependo de não ser parecido com meu pai, eu me arrependo por não ser um exemplo de pai, eu me arrependo por causar tanta dor, eu me arrependo de não ser uma pessoa melhor...
... Não me arrependo de viver, só os vivos se arrependem e aprendem o que é redenção!


Fora da Clausura

A clausura do pensamento retido e contido na experiência alheia e ao leo. A clausura na preguiça, no desânimo, na moleza, no sono, na mesmice indolente que prostra, esmorece e submerge no ócio. A clausura na esterilidade mental, no desprovimento de capacidade, na improdutividade intelectual, no esgotamento físico, prisão no desimaginativo. A clausura na recordação nostálgica, na tristeza, na mágoa, no rancor, na falta de liberar o perdão, na dor, na viuvez, na solidão, na orgia, no calor, no frio, na saudade, no amor, no ódio, na doença, na morte.
O que te prende?
O livramento vem pelo pensamento liberado, livre, criativo, vivido, singular ou plural, ativo, animado, trabalhado. A liberdade é fertilidade mental, prazer físico e construção sonhadora, atividade focada e firmeza. Não existe claustro quando a saudade é saciada, quando o sonho é realizado, quando o amor é sentido, a dor aliviada e a solidão é despedida.
O que te mantém livre?

Momentos e o Tempo

O que é a vida? Não me refiro ao fato de respirar e estar vivo e sim, o que é a vida para os que respiram? Será que posso dizer que são momentos? Seria a vida um conglomerado de momentos que formam, que constroem uma vivência? Será que esses momentos passam levados pela chuva com tamanha frivolidade ou até mesmo insignificância?
Certa vez, eu entrei na maternidade, era horário de visitas, eu chamei o nome de uma garotinha, um bebezinho deitado num pequeno berço: Hadassa! Aquela criança esperneou tão bruscamente que quase caiu, foi uma correria... Hadassa é a minha filha que nessa semana completará 13 anos. Naquele dia 03 de novembro de 2003, ao ouvir o som da voz que passou 9 meses cortejando, chamando, cantando, declarando... ela simplesmente reagiu, ela me queria e eu a peguei em meus braços e não existe uma vez que eu compartilhe esse MOMENTO sem me emocionar, sem respirar fundo, segurar as lágrimas e controlar o coração, porque simplesmente foi um dos momentos mais fantásticos …